18/02/12

Dia quinto

Ao quinto dia de ter um blogue quer-me parecer que desta vez o Matos está errado, um blogue não amacia os desgostos de amor, é estranho o Matos ter-se equivocado mas estou capaz de me ir por aqui entretendo, até porque me chegam estranhas missivas a cumprimentar-me pelo meu regresso, já fui muitas coisas mas não me lembro de ser o que chegou antes de ter chegado, as pessoas às vezes são possuídas por estranhas certezas, ainda ontem pensava eu jantar com a Maria Rita, a  Maria Rita é daquelas mulheres com quem vale a pena jantar, olhar seguro, eu faço de conta que ela é quem manda e ela faz de conta que acredita que sim, além disso a  Maria Rita é dona do terceiro mais vistoso interior de decote da minha cidade, o problema da  Maria Rita é perder a compostura ao terceiro copo de Syrah, em sendo de Cabernet a coisa dá-se pelo segundo e eu sou pouco apreciador de mulheres que percam a compostura, ensinaram-me assim, nada a fazer, à  Maria Rita começa a escapar-se-lhe o filtro naquilo que quer dizer por volta do terceiro copo de Syrah e a coisa é-lhe fatal, eu transmiti-lhe que os jogos são para se jogar até ao fim, não se pode mostrar os trunfos ao parceiro ao terceiro copo de Syrah, ainda que se tenham os terceiros melhores argumentos da cidade, a  Maria Rita não apreciou a minha nobre resistência e foi à vida dela, a vida é mesmo assim, o que a  Maria Rita não sabe é que voltará a jantar na minha humilde companhia um destes dias, a  Maria Rita não sabe, mas é daquelas mulheres que voltam, a  Maria Rita tem cara de que é das que volta sempre.

5 comentários:

  1. Se se der o caso da "Maria Rita" ser a Fábia dos comentários acima, então também eu digo LOL caro amigo. E sinto muita empatia por si.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é o caso, pobre Rita ...

      Eliminar
  2. Queremos um decote da Maria Rita.

    ResponderEliminar